Extraordinário, R.J. Palácio


August Pullman, o Auggie, nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso ele nunca frequentou a escola de verdade... Até agora. Todo mundo sabe que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros.






O livro é narrado por vários pontos de vista, o que ajuda muito a perceber a visão que as pessoas tem do Auggie, não só a parte física mas a mental também. No decorrer do livro o crescimento do August é muito grande, ele deixa de ser um garoto assutado que não fala com as pessoas e se torna o melhor amigo de vários colegas de sua classe.


O livro foi escrito com uma linguagem mais infantil, e essa é uma parte legal dele, R.J. Palácio escreveu o livro de uma forma que o rosto de August não vira algo constante no livro, por vários momentos cheguei a esquecer da deformação no rosto dele.

August usou um capacete de astronauta por dois anos para esconder seu rosto. Quando Auggie descobriu  que iria frequentar uma escola normal, sua primeira emoção foi a raiva por seus pais não terem contado a ele, mas depois ele vai superando esse sentimento e acaba gostando da ideia.

 No começo das aulas August sofre muito Bullying, as crianças da sua escola não falam e nem encostam nele para não pegar sua "doença", mas com o passar do tempo August começa a fazer amigos e muda o pensamento de todos da sua escola.

 Uma coisa legal sobre o livro são os preceitos muito conhecidos como frases que inspiram, cada capitulo possui um preceito e no final do livro nós encontramos preceitos para todos os meses do ano e alguns preceitos feitos pelos amigos de August.
Toda pessoa deveria ser aplaudida de pé pelo menos uma vez na vida, poque todos nós vencemos o mundo - August Pullman 

Abril: O que é belo é bom, e o que é bom em breve será belo - Safo

Se você consegue passar pelo ensino fundamental sem ferir os sentimentos de ninguém  isso é muito maneiro - Summer Dawson

6 comentários:

David disse... [Responder comentário]

Ah! Que vontade de ler esse livro D: Anne comprou pra mim, mas resolveu ler antes de me dar D: Tragico ne Felipe? kkkkkkkkkkk

Fran Alves disse... [Responder comentário]

Achei muito fofa sua resenha... não imaginei que fosse algo meio infantil, mas adorei a historia =D

Lara Melo disse... [Responder comentário]

Já li esse livro e amei, concordo com tudo que vc escreveu na sua resenha

bjs
whoisllara.com

Bruna Souza disse... [Responder comentário]

Terminei de ler esse livro essa semana e posso dizer que foi um dos melhores que já li na vida. Acho que o livro faz você ver o mundo de outro modo. O August não tinha deficiência, só era diferente das outras pessoas, e mesmo assim no livro relata como as crianças na escola dele o tratavam. Felizmente tinham crianças conscientes de que ele era uma pessoa antes de tudo e sente quando é rejeitado pelas pessoas por causa da sua aparência. Acho que só lendo livros assim, a gente percebe que isso não acontece só em histórias fictícias, mas também na vida real. Gostei muito da resenha.
PS: é o tipo de livro que TODOS deveriam ler e mudar o seu jeito de pensar sobre muitas coisas.

Renata disse... [Responder comentário]

Esse livro é tocante, eu aprendi muitas lições e me encantei com o Auggie. O livro todo é muito tocante, lembro da parte que ele descobriu que o amigo dele só ficava com ele por pena, aquela parte foi tão triste que eu fiquei revoltada e triste por ele.

Pamela Liu disse... [Responder comentário]

AMEI esse livro. Ri, chorei e refleti sobre coisas que realmente devemos considerar mais importantes.
Achei bem legal o ponto de vista do August e a sua personalidade sarcástica e mto perspicaz diante das diversas situações, tanto boas quanto ruins.

Postar um comentário